Sobre as manipulações mentais estilosas

12.11.2019  @DigaoPessoa

Já reparou? Elas estão por toda a parte, as manipulações mentais encontram os mais variados disfarces. Inclusive sob a ideia de atitude e de estilo. O pior é que o cérebro tende a cair na armadilha.

Manipulações mentais estilosas
Os cérebros utilizam truques inconscientes e até por isso podem ser manipulados

Concordar ou discordar por ter simpatia ou antipatia por uma pessoa que está falando algo é um critério subconsciente, um truque utilizado pelo cérebro para poupar a energia de ter que raciocinar mais demoradamente sobre o algo que está sendo dito.

Sabendo disso e de muitos outros truques da neurolinguística, muitos especialistas em comunicação de massas investem em figuras das mais diversas para reforçar estilos, poses, mensagens e atitudes expressivas que possam ser acolhidas com aceitação direta do subconsciente.

A ideia é que as pessoas recebam, até sem perceber, as figurinhas com as quais montem o álbum de seus cérebros.

E, ainda, que estejam ligadas afetivamente a elas; que se sintam ofendidas pessoalmente quando alguém ousar contestar alguma delas; que estejam apegadas a tal ponto a elas que pensem que aquilo, aquela coleção de imagens, estilos e atitudes é o que elas são: que uma pessoa é o estilo que guia sua personalidade, e não uma pessoa simplesmente livre para pensar naturalmente, sem estar atada aos estilos disseminados no mundo.

É uma estratégia de escravização mental e controle de engenharia social direcionada principalmente aos jovens de todas as idades. Tudo aquilo que hoje vemos sendo apresentado aos jovens passa por essa intenção.

Se você dá mais valor ao estilo e a "atitude" de quem está falando do que a investigação incansável e sincera sobre todos os lados do que está sendo falado, sim você está sendo mais do que manipulado: você está sendo modelado em um estilo, ou mesmo em vários deles.

É dessa forma que o mundanismo atual quer que você seja: uma figurinha. Mas, você não deve se contentar em ser reduzido a isso.

Escapando da armadilha

O cérebro busca refúgio nos estilos que nos informariam previamente sobre os conceitos das coisas, mas isso é uma armadilha! Nesses atalhos a complexidade da realidade é reduzida a clichês e refrões repetitivos que cansam até as mentes mais hipnotizadas e reduzem tudo a preconceitos e rótulos quem nem sempre indicam a realidade.

Você pode escapar disso sendo livre para buscar a Verdade, estando menos preocupado com as figuras de si mesmo e dos outros e mais atento e pensativo sobre a substância mesma daquilo que as coisas são. Assim, a vida então será um livro aberto de belezas a serem contempladas.

Sem ressentimentos que cansam o olhar e emboloram as coisas, reduzindo tudo a uma questão de gosto e estilo, fazendo tudo ficar monótono e chato, um porre.

Sem estilo e sem afetação, sem precisar se entregar a sonhos, utopias e devaneios, mas simplesmente deixando que a maravilha do mundo e do universo possam colorir a mente com todas as nuances que as coisas realmente refletem quando estão sob a luz da Verdade.

Comentários

Postar um comentário